por
Lingopass
3.1.2024

Cenários e desafios da agricultura global rumo a 2050

No século XXI, a agricultura enfrenta diversos desafios: precisa produzir mais alimentos e fibras para alimentar uma população em crescimento com uma mão de obra rural menor, mais matéria-prima para um potencial mercado de bioenergia, contribuir para o desenvolvimento em países dependentes da agricultura, adotar métodos de produção mais eficientes e sustentáveis, e se adaptar às mudanças climáticas.

Demanda e produção de alimentos

A população mundial deve crescer em mais de um terço, ou 2,3 bilhões de pessoas, entre 2009 e 2050. Esse é um ritmo de crescimento mais lento em comparação com as últimas quatro décadas, durante as quais cresceu em 3,3 bilhões de pessoas, ou mais de 90%. A maior parte desse crescimento é prevista para ocorrer nos países em desenvolvimento. A África Subsaariana, por exemplo, terá o crescimento populacional mais rápido (+114%), enquanto o Sudeste Asiático terá o mais lento (+13%). A urbanização continuará em ritmo acelerado, com áreas urbanas representando 70% da população mundial em 2050.

Ao mesmo tempo, a renda per capita em 2050 é projetada para ser várias vezes maior que os níveis atuais. Há consenso entre os analistas de que a tendência recente de crescimento mais rápido nas economias dos países em desenvolvimento em relação aos desenvolvidos provavelmente continuará. No entanto, as diferenças absolutas nas rendas per capita permanecerão pronunciadas, e as desigualdades entre países e regiões tenderão a se acentuar.

O crescimento econômico global projetado de cerca de 2,9% ao ano levaria a uma redução significativa, ou até mesmo à eliminação do crescimento populacional absoluto da pobreza econômica nos países em desenvolvimento (pessoas vivendo com menos de US$1,25/dia em preços de 2005). No entanto, em 2050, o mundo ainda estará longe de resolver o problema da privação econômica e desnutrição de partes significativas da população.

Essas tendências indicam que a demanda de mercado por alimentos continuará a crescer. A demanda por cereais, tanto para alimentação quanto para ração animal, deve atingir cerca de 3 bilhões de toneladas até 2050, um aumento em relação às atuais quase 2,1 bilhões de toneladas. O advento dos biocombustíveis tem o potencial de alterar algumas dessas tendências projetadas e aumentar a demanda global, dependendo principalmente dos preços da energia e das políticas governamentais.

As projeções indicam que alimentar uma população mundial de 9,1 bilhões de pessoas em 2050 exigiria um aumento de cerca de 70% na produção global de alimentos entre 2005/07 e 2050, com a produção nos países em desenvolvimento quase dobrando. Isso implica em aumentos significativos na produção de várias commodities-chave. A produção anual de cereais, por exemplo, teria que crescer em quase um bilhão de toneladas, e a produção de carne em mais de 200 milhões de toneladas, totalizando 470 milhões de toneladas em 2050, sendo 72% nos países em desenvolvimento, em comparação com os atuais 58%. Alimentar adequadamente a população mundial também significa produzir os tipos de alimentos que faltam para garantir a segurança nutricional.

Comércio internacional

O comércio de commodities agrícolas também deve expandir consideravelmente. Por exemplo, as importações líquidas de cereais pelos países em desenvolvimento aumentariam quase três vezes, atingindo quase 300 milhões de toneladas até 2050 e representando cerca de 14% do consumo de cereais, em comparação com 9,2% em 2006/08. A auto-suficiência de cereais continuaria a ser baixa na região mais dependente de importações de alimentos, no Oriente Médio/Norte da África, caindo de 59% em 2006/08 para 54% em 2050.

Quanto aos recursos naturais, 90% do crescimento na produção de culturas globalmente (80% nos países em desenvolvimento) deverá vir de maiores rendimentos e maior intensidade de cultivo, com o restante vindo da expansão de terras. A terra arável deve se expandir em cerca de 70 milhões de hectares (ou menos de 5%), com a expansão nos países em desenvolvimento em cerca de 120 milhões de hectares (ou 12%), compensada por uma redução de cerca de 50 milhões de hectares (ou 8%) nos países desenvolvidos. Quase toda a expansão de terras nos países em desenvolvimento ocorreria na África Subsaariana e na América Latina.

As terras equipadas para irrigação aumentariam em cerca de 32 milhões de hectares (11%), enquanto as terras irrigadas colhidas aumentariam em 17%. Todo esse aumento seria nos países em desenvolvimento. Devido a uma melhoria lenta na eficiência do uso da água e uma redução na área cultivada com arroz (que é relativamente intensivo no uso de água), a retirada de água para irrigação cresceria a um ritmo mais lento, mas ainda aumentaria em quase 11% (ou cerca de 286 km³) até 2050.

As colheitas continuariam a crescer, mas a uma taxa mais lenta do que no passado. O crescimento decrescente já está em andamento há algum tempo. Em média, a taxa de crescimento anual da produtividade das culturas ao longo do período projetado seria cerca da metade (0,8%) da taxa de crescimento histórica (1,7%; 0,9 e 2,1% nos países em desenvolvimento). O crescimento da produtividade dos cereais desaceleraria para 0,7% ao ano (0,8% nos países em desenvolvimento), e a produtividade média dos cereais atingiria cerca de 4,3 toneladas/ha até 2050, em comparação com as atuais 3,2 toneladas/ha.

Viabilidade agrícola até 2050: Terra, água e rendimentos em questão

O Estudo Global das Zonas Agroecológicas mostra que ainda há recursos de terras consideráveis com potencial para a produção de culturas disponíveis, mas esse resultado precisa ser fortemente qualificado. Grande parte das terras adequadas ainda não utilizadas está concentrada em alguns países da América Latina e da África Subsaariana, mas muitos países com populações rurais em crescimento nessas regiões são extremamente carentes de terras, e grande parte das terras potenciais é adequada apenas para o cultivo de algumas culturas que não são necessariamente as mais demandadas. Além disso, muitas dessas terras não utilizadas sofrem restrições (químicas, físicas, doenças endêmicas, falta de infraestrutura, etc.) que não podem ser facilmente superadas ou que não são economicamente viáveis de serem resolvidas. Parte da terra está coberta por florestas, protegida ou sujeita a assentamentos urbanos em expansão. 

No entanto, é justo dizer que, embora haja países (especialmente no Oriente Médio/Norte da África e na Ásia do Sul) que atingiram ou estão prestes a atingir os limites de terras disponíveis, em escala global ainda existem recursos de terras suficientes para alimentar a população mundial no futuro previsível, desde que os investimentos necessários para desenvolver esses recursos sejam feitos e o abandono das últimas décadas no esforço de pesquisa e desenvolvimento agrícola seja revertido.

A disponibilidade de recursos hídricos frescos mostra um quadro semelhante à disponibilidade de terras, ou seja, globalmente mais do que suficiente, mas distribuída de maneira muito desigual, com um número crescente de países ou regiões dentro dos países alcançando níveis alarmantes de escassez de água. Isso ocorre frequentemente nos mesmos países do Oriente Médio/Norte da África e da Ásia do Sul que não têm mais recursos de terra. Um fator mitigante pode ser o fato de ainda haver amplas oportunidades para aumentar a eficiência no uso da água (por exemplo, através do fornecimento dos incentivos certos para usar menos água).

O potencial para aumentar os rendimentos das colheitas, mesmo com as tecnologias existentes, parece considerável. Desde que os incentivos socioeconômicos apropriados estejam em vigor, ainda existem lacunas "fecháveis" nos rendimentos (ou seja, a diferença entre os rendimentos alcançáveis agroecologicamente e os rendimentos reais) que podem ser exploradas. Os receios de que os rendimentos (por exemplo, para o arroz) estejam atingindo um platô não parecem justificados (exceto em casos muito específicos).

Cenários e desafios da agricultura global rumo a 2050

por
Lingopass
3.1.2024
Tempo de leitura:
5 minutos

No século XXI, a agricultura enfrenta diversos desafios: precisa produzir mais alimentos e fibras para alimentar uma população em crescimento com uma mão de obra rural menor, mais matéria-prima para um potencial mercado de bioenergia, contribuir para o desenvolvimento em países dependentes da agricultura, adotar métodos de produção mais eficientes e sustentáveis, e se adaptar às mudanças climáticas.

Demanda e produção de alimentos

A população mundial deve crescer em mais de um terço, ou 2,3 bilhões de pessoas, entre 2009 e 2050. Esse é um ritmo de crescimento mais lento em comparação com as últimas quatro décadas, durante as quais cresceu em 3,3 bilhões de pessoas, ou mais de 90%. A maior parte desse crescimento é prevista para ocorrer nos países em desenvolvimento. A África Subsaariana, por exemplo, terá o crescimento populacional mais rápido (+114%), enquanto o Sudeste Asiático terá o mais lento (+13%). A urbanização continuará em ritmo acelerado, com áreas urbanas representando 70% da população mundial em 2050.

Ao mesmo tempo, a renda per capita em 2050 é projetada para ser várias vezes maior que os níveis atuais. Há consenso entre os analistas de que a tendência recente de crescimento mais rápido nas economias dos países em desenvolvimento em relação aos desenvolvidos provavelmente continuará. No entanto, as diferenças absolutas nas rendas per capita permanecerão pronunciadas, e as desigualdades entre países e regiões tenderão a se acentuar.

O crescimento econômico global projetado de cerca de 2,9% ao ano levaria a uma redução significativa, ou até mesmo à eliminação do crescimento populacional absoluto da pobreza econômica nos países em desenvolvimento (pessoas vivendo com menos de US$1,25/dia em preços de 2005). No entanto, em 2050, o mundo ainda estará longe de resolver o problema da privação econômica e desnutrição de partes significativas da população.

Essas tendências indicam que a demanda de mercado por alimentos continuará a crescer. A demanda por cereais, tanto para alimentação quanto para ração animal, deve atingir cerca de 3 bilhões de toneladas até 2050, um aumento em relação às atuais quase 2,1 bilhões de toneladas. O advento dos biocombustíveis tem o potencial de alterar algumas dessas tendências projetadas e aumentar a demanda global, dependendo principalmente dos preços da energia e das políticas governamentais.

As projeções indicam que alimentar uma população mundial de 9,1 bilhões de pessoas em 2050 exigiria um aumento de cerca de 70% na produção global de alimentos entre 2005/07 e 2050, com a produção nos países em desenvolvimento quase dobrando. Isso implica em aumentos significativos na produção de várias commodities-chave. A produção anual de cereais, por exemplo, teria que crescer em quase um bilhão de toneladas, e a produção de carne em mais de 200 milhões de toneladas, totalizando 470 milhões de toneladas em 2050, sendo 72% nos países em desenvolvimento, em comparação com os atuais 58%. Alimentar adequadamente a população mundial também significa produzir os tipos de alimentos que faltam para garantir a segurança nutricional.

Comércio internacional

O comércio de commodities agrícolas também deve expandir consideravelmente. Por exemplo, as importações líquidas de cereais pelos países em desenvolvimento aumentariam quase três vezes, atingindo quase 300 milhões de toneladas até 2050 e representando cerca de 14% do consumo de cereais, em comparação com 9,2% em 2006/08. A auto-suficiência de cereais continuaria a ser baixa na região mais dependente de importações de alimentos, no Oriente Médio/Norte da África, caindo de 59% em 2006/08 para 54% em 2050.

Quanto aos recursos naturais, 90% do crescimento na produção de culturas globalmente (80% nos países em desenvolvimento) deverá vir de maiores rendimentos e maior intensidade de cultivo, com o restante vindo da expansão de terras. A terra arável deve se expandir em cerca de 70 milhões de hectares (ou menos de 5%), com a expansão nos países em desenvolvimento em cerca de 120 milhões de hectares (ou 12%), compensada por uma redução de cerca de 50 milhões de hectares (ou 8%) nos países desenvolvidos. Quase toda a expansão de terras nos países em desenvolvimento ocorreria na África Subsaariana e na América Latina.

As terras equipadas para irrigação aumentariam em cerca de 32 milhões de hectares (11%), enquanto as terras irrigadas colhidas aumentariam em 17%. Todo esse aumento seria nos países em desenvolvimento. Devido a uma melhoria lenta na eficiência do uso da água e uma redução na área cultivada com arroz (que é relativamente intensivo no uso de água), a retirada de água para irrigação cresceria a um ritmo mais lento, mas ainda aumentaria em quase 11% (ou cerca de 286 km³) até 2050.

As colheitas continuariam a crescer, mas a uma taxa mais lenta do que no passado. O crescimento decrescente já está em andamento há algum tempo. Em média, a taxa de crescimento anual da produtividade das culturas ao longo do período projetado seria cerca da metade (0,8%) da taxa de crescimento histórica (1,7%; 0,9 e 2,1% nos países em desenvolvimento). O crescimento da produtividade dos cereais desaceleraria para 0,7% ao ano (0,8% nos países em desenvolvimento), e a produtividade média dos cereais atingiria cerca de 4,3 toneladas/ha até 2050, em comparação com as atuais 3,2 toneladas/ha.

Viabilidade agrícola até 2050: Terra, água e rendimentos em questão

O Estudo Global das Zonas Agroecológicas mostra que ainda há recursos de terras consideráveis com potencial para a produção de culturas disponíveis, mas esse resultado precisa ser fortemente qualificado. Grande parte das terras adequadas ainda não utilizadas está concentrada em alguns países da América Latina e da África Subsaariana, mas muitos países com populações rurais em crescimento nessas regiões são extremamente carentes de terras, e grande parte das terras potenciais é adequada apenas para o cultivo de algumas culturas que não são necessariamente as mais demandadas. Além disso, muitas dessas terras não utilizadas sofrem restrições (químicas, físicas, doenças endêmicas, falta de infraestrutura, etc.) que não podem ser facilmente superadas ou que não são economicamente viáveis de serem resolvidas. Parte da terra está coberta por florestas, protegida ou sujeita a assentamentos urbanos em expansão. 

No entanto, é justo dizer que, embora haja países (especialmente no Oriente Médio/Norte da África e na Ásia do Sul) que atingiram ou estão prestes a atingir os limites de terras disponíveis, em escala global ainda existem recursos de terras suficientes para alimentar a população mundial no futuro previsível, desde que os investimentos necessários para desenvolver esses recursos sejam feitos e o abandono das últimas décadas no esforço de pesquisa e desenvolvimento agrícola seja revertido.

A disponibilidade de recursos hídricos frescos mostra um quadro semelhante à disponibilidade de terras, ou seja, globalmente mais do que suficiente, mas distribuída de maneira muito desigual, com um número crescente de países ou regiões dentro dos países alcançando níveis alarmantes de escassez de água. Isso ocorre frequentemente nos mesmos países do Oriente Médio/Norte da África e da Ásia do Sul que não têm mais recursos de terra. Um fator mitigante pode ser o fato de ainda haver amplas oportunidades para aumentar a eficiência no uso da água (por exemplo, através do fornecimento dos incentivos certos para usar menos água).

O potencial para aumentar os rendimentos das colheitas, mesmo com as tecnologias existentes, parece considerável. Desde que os incentivos socioeconômicos apropriados estejam em vigor, ainda existem lacunas "fecháveis" nos rendimentos (ou seja, a diferença entre os rendimentos alcançáveis agroecologicamente e os rendimentos reais) que podem ser exploradas. Os receios de que os rendimentos (por exemplo, para o arroz) estejam atingindo um platô não parecem justificados (exceto em casos muito específicos).

Acesso à alimentação

Projeções atuais sugerem que a disponibilidade média diária de energia pode atingir 3.050 kcal por pessoa até 2050 (2.970 kcal nos países em desenvolvimento), um aumento em relação às 2.770 kcal em 2003/05. No entanto, as mesmas projeções sugerem que aumentos na produção por si só não seriam suficientes para garantir a segurança alimentar para todos. A menos que os governos garantam que o acesso aos alimentos pelos necessitados e vulneráveis seja significativamente melhorado, e enquanto a prevalência da desnutrição crônica nos países em desenvolvimento pode cair de 16,3% (823 milhões) em 2003/05 para 4,8% em 2050, isso ainda significaria que cerca de 370 milhões de pessoas estarão desnutridas em 2050. Das três regiões em desenvolvimento com os maiores números de pessoas desnutridas atualmente, as reduções seriam mais pronunciadas na Ásia (tanto no leste quanto no sul), mas menos na África Subsaariana. Com base nessas perspectivas, a meta da Cúpula Mundial de Alimentação de reduzir pela metade o número de pessoas famintas até 2015 (a partir dos 813 milhões de 1990/92) pode não ser atingida até bem na década de 2040. Esses cálculos destacam a importância de implementar estratégias eficazes de redução da pobreza, redes de segurança e programas de desenvolvimento rural.

Transição dietética: Entre ganhos alimentares e desafios à saúde mundial

Embora o progresso em aumentar o consumo médio de alimentos seja um desenvolvimento positivo, tais aumentos nem sempre são uma bênção total: as transições dietéticas experimentadas por muitos países implicam em mudanças para dietas ricas em energia, com alto teor de gordura, especialmente gordura saturada, açúcar e sal, e baixo teor de micronutrientes, fibras alimentares e importantes fitoquímicos bioativos.

Em combinação com as mudanças no estilo de vida, em grande parte associadas à rápida urbanização, essas transições, embora benéficas em muitos países com dietas ainda inadequadas, muitas vezes são acompanhadas por um aumento correspondente em doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) relacionadas à dieta. Em muitos países que passam por essa transição, as DCNT relacionadas à obesidade surgem quando problemas de saúde relacionados à subnutrição de partes significativas de suas populações ainda são amplamente prevalentes. Esses dois problemas coexistem e apresentam a esses países desafios e pressões novos em seus sistemas de saúde, que devem ser abordados em políticas e programas para aumentar a conscientização dos consumidores sobre nutrição, promover dietas equilibradas e saudáveis e melhorar o bem-estar alimentar.

Pontos de discussão

Ponto 1: Deveria o foco da intervenção governamental ser principalmente o aumento da produção local de alimentos, ou deveria tender mais para aumentar o acesso aos alimentos e estimular o desenvolvimento rural em geral?

Ponto 2: O que acontecerá com os países e regiões que permanecem deficitários em alimentos em 2050 - como a segurança alimentar deles pode ser garantida? Quais são os riscos e oportunidades?

Ponto 3: Até que ponto os países serão capazes de lidar com problemas de água incentivando a eficiência aprimorada no uso da água ou desenvolvendo sistemas inovadores para negociar direitos de água? Quais políticas são necessárias para garantir o uso ótimo da água?

Ponto 4: Como a terra agrícola, incluindo a terra já em cultivo, bem como a terra recém-convertida para produção agrícola, pode ser usada de maneira mais produtiva e sustentável? Como pode ser estimulado o investimento em novas terras a serem convertidas em produção agrícola?

Redução da fome e pobreza à medida que as economias se transformam

A experiência de países que conseguiram reduzir a fome e a desnutrição mostra que políticas de crescimento econômico e redução da pobreza por si só não garantem automaticamente o sucesso: a fonte do crescimento também importa. A análise entre países mostra que o crescimento do PIB originado na agricultura é, em média, pelo menos duas vezes mais eficaz em beneficiar a metade mais pobre da população de um país do que o crescimento gerado em setores não agrícolas. Isso não é surpreendente, pois 75% dos pobres em países em desenvolvimento vivem em áreas rurais e derivam partes significativas de seus meios de subsistência da agricultura e atividades relacionadas. Para países dependentes da agricultura, em particular, o crescimento agrícola é fundamental para o crescimento e desenvolvimento geral, bem como para a redução da pobreza.

Um setor agrícola vibrante foi a base para uma transformação econômica bem-sucedida em muitos dos países desenvolvidos de hoje. Foi o precursor das revoluções industriais na Europa e nos EUA e, mais recentemente, nas da China, Taiwan, Coreia do Sul, Tailândia, Vietnã e outras economias asiáticas em rápido crescimento. Durante essas transformações, o investimento na agricultura criou excedentes agrícolas, manteve os preços reais dos alimentos baixos e ajudou a estimular o crescimento econômico geral. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento econômico geral criou novas oportunidades de emprego que ajudaram a absorver o excedente de mão de obra rural que surgiu com a transformação da agricultura. Teoricamente, o resultado é uma transição de muitos pequenos produtores de subsistência para menos e maiores fazendeiros comerciais e um novo equilíbrio com menos agricultores, mais emprego não agrícola e operações agrícolas maiores globalmente.

A perspectiva até 2050 sugere que muitos países em desenvolvimento estão no caminho para essa transformação. Uma produtividade agrícola mais alta e uma saturação crescente na demanda por alimentos limitarão, em última análise, o potencial de contribuição de renda da agricultura como um todo e circunscreverão o número de meios de subsistência que podem ser sustentados pelo setor. Ao mesmo tempo, a integração da agricultura de produção primária no sistema agroindustrial favorecerá a agricultura intensiva em capital e conhecimento e fazendas maiores. Isso significa que, embora alguns agricultores possam expandir suas operações, outros enfrentarão desafios severos em seus esforços para competir no setor e atender aos rigorosos padrões de qualidade e segurança alimentar exigidos por processadores e varejistas. Os formuladores de políticas podem acompanhar essa transição fornecendo estruturas de incentivo que permitam aos agricultores se adaptar às novas condições e permanecer no setor, além de ajudar outros a comercializar e crescer. O timing, ritmo e sequenciamento das medidas que facilitam essa transição continuam sendo um desafio particular para os formuladores de políticas em todos os países.

Embora o papel da agricultura como impulsionadora do crescimento geral diminua ao longo do tempo, juntamente com sua participação no PIB, a experiência dos países de renda média de hoje sugere que seu papel na redução da pobreza e da fome continuará sendo significativo. A contribuição da agricultura para a redução da fome não está apenas na produção de alimentos onde as necessidades são mais pronunciadas, mas também na criação de empregos, geração de renda e apoio aos meios de subsistência rurais. A redução da pobreza requer investimentos em várias áreas diferentes, incluindo:

1) Investimentos em setores fortemente ligados ao crescimento da produtividade agrícola, como infraestrutura rural (estradas, portos, energia, sistemas de armazenamento e irrigação);

2) Investimentos em instituições e no ambiente mais amplo que favorece os agricultores (serviços de pesquisa e extensão, sistemas de posse da terra, sistemas de controle veterinário e de segurança alimentar, seguros e gestão de riscos);

3) Investimento não agrícola para trazer impactos positivos no bem-estar humano, incluindo redes de segurança alimentar direcionadas, programas sociais e transferências de dinheiro para os mais necessitados.

Essas considerações destacam a complexidade e a interconexão de desafios e oportunidades que o setor agrícola enfrentará até 2050. O desenvolvimento sustentável e a segurança alimentar global dependerão de abordagens inovadoras, cooperação internacional e políticas eficazes que levem em conta a diversidade de condições regionais e as necessidades específicas das populações locais.

Ver também:
2.4.24
Agrishow 2024: Prepare-se para a maior feira de tecnologia agrícola da América Latina!
27.12.23
Forbes Agro100 2023: as 100 maiores empresas do agro no Brasil
25.3.24
Como o mercado do Agronegócio está caminhando junto às pautas ESG?
Faça Aulas gratuitas de conversação:
Sou Aluno
Seta apontando para a diagonal alta direita. Representando um link para outra página
lingonews
Receba novidades e conteúdos exclusivos em nossas newsletters.
Obrigado por se cadastrar!
Email inválido. Tente novamente ou use outro email.
Estamos na lista de 100 Startups to Watch, pela Pequenas Empresas e Grandes Negócios
Estamos na lista das 100 Latam EdTech mais promissoras de 2022 e 2023, pela HolonIQ
Acelerado por grandes parceiros:
©Lingopass - todos os direitos reservados. Termo de Uso e Política de Privacidade