por
Lingopass
12.1.2024

Usando inteligência artificial: Os agribots estão em ascensão

Gradualmente, observamos uma máquina que se assemelha a um carrinho de golfe, com dimensões equivalentes, movendo-se sobre as plantas. A intervalos regulares, emana uma leve nuvem de fumaça enquanto uma erva daninha é eliminada por meio de uma descarga de alta voltagem. O responsável por esse processo é um protótipo de robô de capina desenvolvido pela Small Robot Company, uma empresa recentemente estabelecida em um antigo depósito de munições nas proximidades de Salisbury, no sudoeste da Grã-Bretanha.

O que são agribots?

Os "agribots" (“agrorobôs”, em tradução livre) referem-se a robôs ou dispositivos automatizados projetados para realizar tarefas específicas na agricultura. Essas máquinas são parte integrante da revolução agrícola conhecida como Agricultura 4.0. Diferentemente das práticas agrícolas tradicionais, os agribots são capazes de operar de forma autônoma e eficiente, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Sua automatização proporciona benefícios significativos, incluindo a eliminação de limitações humanas, como doenças, necessidade de férias ou licenças, e a capacidade de trabalhar continuamente sem a necessidade de remuneração, exigindo apenas manutenção periódica. Essa inovação tecnológica desempenha um papel crucial na otimização da produção agrícola, aumentando a eficiência e contribuindo para a transformação global da atividade agrícola.

Impacto da IA na agricultura: Agribots revolucionam o controle de ervas daninhas

A agricultura enfrenta desafios crescentes no controle de ervas daninhas, à medida que estas desenvolvem resistência a herbicidas e enfrentam regulamentações mais restritas. A demanda por produtos orgânicos também acrescenta complexidade, enquanto a escassez de mão de obra torna a prática convencional de arar o solo com enxadas mecânicas rebocadas por tratores cara, demorada e muitas vezes impraticável.

Usando inteligência artificial: Os agribots estão em ascensão

por
Lingopass
12.1.2024
Tempo de leitura:
5 minutos

Gradualmente, observamos uma máquina que se assemelha a um carrinho de golfe, com dimensões equivalentes, movendo-se sobre as plantas. A intervalos regulares, emana uma leve nuvem de fumaça enquanto uma erva daninha é eliminada por meio de uma descarga de alta voltagem. O responsável por esse processo é um protótipo de robô de capina desenvolvido pela Small Robot Company, uma empresa recentemente estabelecida em um antigo depósito de munições nas proximidades de Salisbury, no sudoeste da Grã-Bretanha.

O que são agribots?

Os "agribots" (“agrorobôs”, em tradução livre) referem-se a robôs ou dispositivos automatizados projetados para realizar tarefas específicas na agricultura. Essas máquinas são parte integrante da revolução agrícola conhecida como Agricultura 4.0. Diferentemente das práticas agrícolas tradicionais, os agribots são capazes de operar de forma autônoma e eficiente, 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Sua automatização proporciona benefícios significativos, incluindo a eliminação de limitações humanas, como doenças, necessidade de férias ou licenças, e a capacidade de trabalhar continuamente sem a necessidade de remuneração, exigindo apenas manutenção periódica. Essa inovação tecnológica desempenha um papel crucial na otimização da produção agrícola, aumentando a eficiência e contribuindo para a transformação global da atividade agrícola.

Impacto da IA na agricultura: Agribots revolucionam o controle de ervas daninhas

A agricultura enfrenta desafios crescentes no controle de ervas daninhas, à medida que estas desenvolvem resistência a herbicidas e enfrentam regulamentações mais restritas. A demanda por produtos orgânicos também acrescenta complexidade, enquanto a escassez de mão de obra torna a prática convencional de arar o solo com enxadas mecânicas rebocadas por tratores cara, demorada e muitas vezes impraticável.

A resposta a esses desafios está emergindo na forma de agribots, robôs agrícolas equipados com algoritmos de inteligência artificial e visão computacional avançada. Esses sistemas automatizados não só conseguem realizar a tarefa de capina, mas também têm potencial para automatizar diversas outras funções agrícolas. Segundo a empresa de pesquisa MarketsandMarkets, o setor de automação agrícola, incluindo agribots e tratores sem motorista, está previsto para crescer aproximadamente 23% ao ano e atingir um valor superior a US$ 20 bilhões até 2025.

Os agribots, como o protótipo de capina da Small Robot Company, chamado Dick, representam um avanço significativo. Este robô utiliza eletrodos para fornecer choques precisos às ervas daninhas, eliminando-as sem a necessidade de produtos químicos. A empresa planeja disponibilizar Dick, junto com outros dois agribots, Tom e Harry, que se dedicarão à varredura detalhada dos campos e a tarefas como plantação e aplicação precisa de fertilizantes, respectivamente.

Tom, programado para entrar em produção comercial, utiliza câmeras e sensores para mapear a saúde de cada planta e as condições do solo, intervindo quando necessário. A abordagem da Small Robot Company é oferecer esses robôs como serviço, proporcionando aos agricultores uma alternativa competitiva em termos de custos e benefícios adicionais, como a redução do uso de produtos químicos.

Além disso, a tecnologia de choque elétrico utilizada pelo Dick, fornecida pela RootWave, destaca-se como uma solução sustentável chamada de "eletrocídio". Essa tecnologia não afeta o solo nem prejudica os micro-organismos, evidenciando um avanço importante em direção a práticas agrícolas mais ecológicas.

Empresas como a FarmWise, de San Francisco, também estão contribuindo para essa revolução, desenvolvendo agribots como o Titan, capaz de se movimentar autonomamente por campos de vegetais e realizar a capina com lâminas rotativas ajustáveis automaticamente.

O advento dos Agribots não apenas promete revolucionar o controle de ervas daninhas, mas também indica uma transformação significativa na agricultura, oferecendo eficiência, sustentabilidade e um caminho para superar os desafios crescentes enfrentados pelo setor.

olo numa profundidade adequada pra dar fim às ervas daninhas. 

Era da automação agrícola

Versões futuras vão fazer outras tarefas, como plantação e aplicação de microdoses de fertilizantes e tratamentos contra pragas diretamente em plantas individuais. "É um cuidado personalizado para as plantas", diz o Sr. Boyer.  Agribots auto-suficientes vão ter que competir com sistemas rebocados por tratores inteligentes. A maioria dos tratores modernos e colheitadeiras pode se guiar sozinha pelos campos usando posicionamento por satélite e outros sensores. Alguns tratores usam mapas digitais de cultivos obtidos por satélites e drones pra destacar os lugares que precisam de fertilizantes ou pesticidas.

Grandes fabricantes de tratores, como John Deere e a CNH Industrial, que faz máquinas Case e New Holland, estão desenvolvendo tratores totalmente autônomos

Quando produtos químicos são necessários nas colheitas, tanto sistemas rebocados por tratores quanto agribots podem aplicar microdoses nas plantas individuais que precisam, em vez de pulverizar um campo inteiro. Alguns testes sugeriram que a microdosagem poderia reduzir a quantidade de herbicida sendo pulverizado numa colheita em 90% ou mais. A Basf, uma gigante química alemã, está trabalhando com a Bosch, uma empresa de engenharia alemã, num sistema de pulverização que identifica plantas e depois aplica herbicidas de maneira direcionada. 

O desenvolvimento de agribots de colheita também está sendo impulsionado por IA. Essas máquinas costumam ter muitas formas e tamanhos diferentes e usam vários sistemas específicos para colher cultivos individuais, como tomates, aspargos e alface. Isso sugere que os agribots que capinam e cuidam das plantas vão evoluir de maneira semelhante, dependendo do cultivo em questão e do local, que pode ser um campo, uma vinha ou um pomar.

Alguns podem ser máquinas inteligentes rebocadas por tratores totalmente autônomos, enquanto em outros casos enxames de pequenos agribots serão usados. A única coisa certa é que os agricultores não vão gastar um centavo com nenhum deles a menos que provem que estão à altura do trabalho.

Ver também:
2.4.24
Agrishow 2024: Prepare-se para a maior feira de tecnologia agrícola da América Latina!
27.12.23
Forbes Agro100 2023: as 100 maiores empresas do agro no Brasil
25.3.24
Como o mercado do Agronegócio está caminhando junto às pautas ESG?
Faça Aulas gratuitas de conversação:
Sou Aluno
Seta apontando para a diagonal alta direita. Representando um link para outra página
lingonews
Receba novidades e conteúdos exclusivos em nossas newsletters.
Obrigado por se cadastrar!
Email inválido. Tente novamente ou use outro email.
Estamos na lista de 100 Startups to Watch, pela Pequenas Empresas e Grandes Negócios
Estamos na lista das 100 Latam EdTech mais promissoras de 2022 e 2023, pela HolonIQ
Acelerado por grandes parceiros:
©Lingopass - todos os direitos reservados. Termo de Uso e Política de Privacidade